terça-feira, 24 de setembro de 2013

Morreu António Ramos Rosa aos 88 anos




Vivi tanto
que já não tenho outra noção
de eternidade
que não seja a duração da minha vida

(Em Torno do Imponderável, 2012)





Fonte:Publico.pt 

Não posso adiar o amor para outro século

Não posso adiar o amor para outro século
não posso
ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sob montanhas cinzentas
e montanhas cinzentas

Não posso adiar este abraço
que é uma arma de dois gumes
amor e ódio

Não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o meu amor
nem o meu grito de libertação

Não posso adiar o coração

(O Grito Claro, 1958)

15 comentários:

  1. Não conhecia o senhor, mas pelo poema que aqui deixaste era de certeza um senhor de muito talento.
    Que ele possa descansar em paz.
    beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aconselho a leitura da obra deste autor.

      Beijinho

      Eliminar
  2. Lindo texto, o senhor que faleceu estou conhecendo através do seu blog, que por sinal tem assuntos bastantes interessantes.
    Parabéns pelo blog, já estou te seguindo.
    Abraços.Sandra

    ResponderEliminar
  3. Não o conhecia,mas pelo que vi devia ser importante por aí! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  4. Boa tarde,
    Ouvi hoje a na Antena 1 sobre a morte do poeta, com a morte António Ramos Rosa a cultura ficou mais pobre, será que os que lamentaram a morte daquele que tanto mal desejou ao povo português de nome Borges, lamenta a morte do grande poeta?

    ag

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Confesso que desconheço o assunto que coloca.
      Há muito que lia o Ramos Rosa e achei por bem fazer uma humilde homenagem . Quando morre um poeta há um pedaço de cada um de nós a empobrecer, sobretudo quando lhe conhecemos a obra.
      Abraço

      Eliminar
  5. La vida está llena de desconocidos que merecieran ser conocidos por todos. Tal vez este para mí desconocido sea uno de ellos.

    ResponderEliminar
  6. Não acompanhava o trabalho dele mas conheci melhor o homem e o poeta depois da morte e apaixonei-me.

    ResponderEliminar
  7. Morre um homem, mas fica a sua poesia que será eterna.
    "Os poetas nunca morrem porque continuaremos a viver a sua poesia"
    Carlos Alberto

    ResponderEliminar
  8. Passando para te desejar uma boa semana!!
    Abraços.Sandra

    ResponderEliminar
  9. precioso poema, compañera. El grito del que no puede aplazar el amor por la vida.
    Una pena que muriera otro poeta; pero como me dijiste tú hace poco, los poetas no mueren ya que su poesía les hacer revivir cada vez que los leemos..

    He de buscar mas lectura de Antonio Ramos Rosa, definitivamente escribía con el corazón.

    ResponderEliminar
  10. ¡Hola María!!!

    Preciosos versos nos dejas, amiga: Claro que no se puede o no se debe posponer el abrazo o el amor. Lo que puedas hacer hoy no lo dejes para mañana, porque puede ser tarde, debemos vivir cada instante como si fuera el último.

    Siento la muerte del poeta, paro a pesar de todo, por aquí quedan sus letras su legado, para seguir recordándolo.

    Gracias María, por dejarnos tanto y tan hermoso.
    Un abrazo y se muy muy feliz.

    ResponderEliminar